Uma breve história

Nasci em São Gotardo (MG) em 1988 mas dois anos depois fui morar em Governado Valadares (MG), no bairro Santa Helena. A fotografia começou lá na infância. No aniversário de nove anos do meu irmão Henrique, pedi minha mãe para fotografar o pessoal que estava lá em casa. Ela deixou e eu mal acreditei. A câmera tinha um respeito própria lá em casa, ficava bem guardada e só saía do seu esconderijo em momentos especiais. Se minha mãe estava me deixando fotografar, ou era sinal que eu já estava grande ou que ela — pedagoga e excelente educadora como é —, já ia abrindo mais caminho para a arte para mim assim como sempre fazia ao me incentivar me regalando lápis de cor, papéis, tinta guache e materiais para desenhar e pintar. Quando vi na câmera que se eu a virasse para a direita deixava de enquadrar uma parte e o mesmo acontecia para cada lado que fizesse isto, percebi o quão aquilo era importante: o que eu enquadrar sairá no papel. Lá nos anos noventa, a foto era pensada no papel e assim penso que deve ser até hoje. É no papel que o instante se materializa fisicamente. O arquivo digital mal sabemos quanto tempo dura… Um HD de vinte anos, “nunca nem vi”. Assim pude ver que enquadrar bem é necessário e minha mente e meus olhos elegem tudo aquilo que vai ser visto, guardado e rememorado.

A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso.
Mateus 6:22

Aconteceu que, na minha cabeça, eu havia enquadrado tudo bem legal. Aguardei ansiosamente o dia que meu pai chegaria com as fotos reveladas lá da New Color (loja que existe até hoje lá em Valadares). Levava tempo para revelar: se meu pai estivesse apertado, até meses esperávamos para ter as fotos. Até que chegou o dia que ao buscar eu e meu irmão na escola, vi o pacote da New Color no painel do Escort e não tive dúvida que eram as fotos do aniversário do Henrique. Pedi para vê-las, ele autorizou, abri o pacote e fui eliminando uma a uma a fim de ir naquele único registro que eu havia feito. Eis que a vejo e já me surpreendo: eu havia cortado as cabeças de todos! Fiquei triste e minha disse: “você não considerou a distância do visor (viewfinder) com a lente, você só enquadrou, eu esqueci de dizer! Fiquei triste mas minha já me motivou e disse que na próxima vez ia me mostrar como considerar aquela distância da lente e do visor que só mais tarde fui entendê-la e descobrir que aquilo se chamava erro de paralaxe. O erro me motivou depois a pensar mais em formas de enquadrar e compor. Além desta motivação, meu pai — trabalhando sempre como técnico ambiental —, passou a deixar que eu fotografasse sempre os dois últimos negativos que sobrava da câmera que ele usava para fotografar suas perícias e consultorias ambientais.

 

Nunca mais parei

Fui crescendo, seguindo fotografando e as câmeras digitais chegaram com tudo. A possibilidade de ver a foto na hora, poder escolher aquelas que vamos revelar e guardar transformou a nossa relação com a produção de imagens. Um tempo depois minha mãe comprou uma digital Olympus C180 e com ela fui adiante quando ela me deixava usar. Eu tinha o costume de pegar a bicicleta todos os sábados e andar na beira da estrada. Nesta época, eu era sonhador efervescente, não sabia nada da vida e fotografar me fazia pensar muito no mundo e na maneira como eu o vejo e o interpreto. Trabalhando como vendedor de curso de inglês, em 2007, pude comprar minha primeira digital compacta: uma Panasonic Lumix LX12. Esta foi a câmera com a qual iniciei a fotografar diariamente e a incluir literatura e poesia a cada uma delas. Se a dúvida sobre o futuro habitava o meu coração, nada melhor que encontrar graça, paz e beleza no cotidiano gratuito… Para depois lá na frente, bem velhinho, poder rever tudo e sorrir.

 

Hoje

Adoro experimentar coisas criativas em qualquer ambiente e situação. Me adapto facilmente a qualquer situação e tento trazer o inusitado e o expressivo que já está lá… Tudo com simplicidade, pureza, sinceridade, técnica e vontade. Conte comigo para registrar o que é importante para você ou para quem você ama. Álbuns, Vou caprichar no nosso encontro, vamos nos divertir e criar memórias feitas com carinho.

 

/// EDUCAÇÃO
2017 Bacharel em Desenho, Curso de Artes Visuais. Escola de Belas Artes, UFMG, Belo Horizonte (MG).
2010 Bacharel em Engenharia de Produção. Faculdade Pitágoras, Ipatinga (MG).

 

/// BOLSAS, PRÊMIOS E RESIDÊNCIAS ARTÍSTICAS
2015 . Finalista do concurso “Yellow Contest”, Fomunity, Espanha (ESP).
2012 . 1º Concurso Estrada Real Imagens e Poesia, Instituto Estrada Real, Belo Horizonte (MG).
2012 . Residência Em Cômodo, Cachoeira (BA).

 

/// OUTRAS EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS
2013—2018 . Fotógrafo, Videomaker e Ilustrador. Universidade Federal de Minas Gerais (CEDECOM), Belo Horizonte (MG).
2011—2013 . Arte Educador. Fundação Clóvis Salgado (Palácio das Artes), Belo Horizonte (MG).
2010—2011 . Assistente de Logística. Usiminas, Ipatinga (MG).
2008—2011 . Arte Educador. Centro Cultural Usiminas, Ipatinga (MG).
2006—2007. Consultor de Vendas. Yázigi Internexus, Governador Valadares (MG).

 

/// EXPOSIÇÕES COLETIVAS
2017
As Horas Que Não Dormimos, Centro Cultural UFMG, Belo Horizonte (MG).

2015
Espaço f: entre o foco e a fugacidade, Sobrado Quatro Cantos, Tiradentes (MG).
Hoje, quarta, Biblioteca Central da UFMG, Belo Horizonte (MG).

2014
Mostra de Fotografia EBA 2014, Espaço f da Escola de Belas Artes da UFMG, Belo Horizonte (MG).
Retrato, Espaço f da Escola de Belas Artes da UFMG, Belo Horizonte (MG).

2013
Deriva VI, Reitoria da UFMG, Belo Horizonte, MG.
Estrada Real: Imagens e Poesia, Galeria de Arte Sesiminas, Belo Horizonte (MG).
Estrada Real: Imagens e Poesia, Centro Cultural e Turístico do Sistema FIEMG, Ouro Preto (MG).
Estrada Real: Imagens e Poesia, Centro Cultural Yves Alves, Tiradentes (MG).
Estrada Real: Imagens e Poesia, Cine Teatro Santa Izabel, Diamantina (MG).
Estrada Real: Imagens e Poesia, Museu Santuário do Caraça, Catas Altas (MG).
Estrada Real: Imagens e Poesia, Espaço Dom João Resende Costa, Santuário Nossa Senhora da Piedade Alto da Serra da Piedade, Caeté (MG).

2012
Bazar Baratão Novas Médias, Galeria Theodoro Braga, Belém (PA).
Bienal 1, Galpão 104, Belo Horizonte (MG).
Instante-nada das Coisas, Casa Camelo, Belo Horizonte (MG).
Mostra de Trabalhos Em Cômodo, Casa Em Cômodo, Diamantina (MG).
Em Cômodo, Centro Cultural Danemann, São Félix (BA).

2010
Qual a sua paisagem? Parque Ipanema, Ipatinga (MG).
Mostra Cultural do Vale do Aço, Centro Cultural Usiminas, Ipatinga (MG).
Sucata, Sucata Cultural, Ipatinga (MG).

 

Alguns clientes

Instituto Estrada Real, H4U Arquitetura, Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto Tomie Ohtake e Revista Cláudia.

Design

Bertha Bettoni Arquitetura e Interiores, Lagunn Gourmet, Learning With Data, RWords, Green-Ma e S&C Arquitetura.

+55 31 9 8533-7285 me@lucasbraga.net
Belo Horizonte, Brasil